"Não acrescentemos dias à nossa vida, mas vida aos nossos dias"
Segunda-feira, 21 de Maio de 2007
Receita: "Auani"

Arranjem 10 pessoas, entusiastas por teatro e por demais artes alternativas; Busquem um tema solto ao vento, algo que tenham ouvido ao atravessar uma passadeira ou algo que tenham visto num cartaz meio rasgado; Juntem doses generosas de imaginação; agora peguem nessa mistela e trabalhem-na, estiquem-na, dobrem-na e levem-na até ao extremo da ruptura.

Depois, vão acabar por descobrir erros, incorrecções: é só questão de corrigir, alterar pequenas partes, pequenos movimentos, acrescentar ideias que vos surgem no banho, no jantar, ou até mesmo num sonho sobre uma recordação infantil.

Agora só falta o ingrediente secreto...Para fazer juz ao nome, não vos direi, mas esta é a base da performance que o Grupo de Teatro Antígona fez (já em 5 representações - mais virão), grupo do qual faço parte, de corpo e alma!

Esta performance distancia-se totalmente de qualquer representação teatral a que a generalidade do público está habituada, aliás como têm vindo a ser os últimos trabalhos do grupo.

O tema base é o Ano Polar Internacional: para quem não sabe, este ano é o Ano Polar Internacional, ano no qual se farão imensas coisas no sentido de alertar a população deste nosso planeta sobre questões ambientais, principalmente no que toca aos polos.

Ora, o que os Antígonas fizeram foi aproximar os polos de todos nós. Pensámos que a razão pela qual a grande maioria das pessoas não liga às questões dos polos é devido à enorme distância física que existe, entre as pessoas e os ditos cujos. Então, elaborámos uma performance intimista, na qual todos (actores e público) sobem ao palco. Nós, "actores", sentamo-nos em roda, com o público à nossa volta. Isto tudo passa-se numa "tenda" branca, na qual pretendemos representar o mundo, todo de branco pois o tema são os polos; nesta "tenda" é que se dá a performance, toda ela a não mais do que um braço de distância do público.

Assim, fazemos ver a todos que os polos estão bem mais próximos do que pensamos: eles estão em cada fio do nosso cabelo, assim como todo o mundo está no nosso corpo, assim como o nosso corpo é parte integrante do mundo. Queremos transmitir a ideia que não há massas separadas, pois o que afecta o mundo, afecta-nos a nós também, e basta uma pequena parte do mundo ficar negra, para mergulharmos todos numa escuridão desesperante.

As representações correram muito bem, especialmente (para nossa surpresa) a parte final, na qual existe uma interacção com o público: oferecemos ao público o branco e envolvêmo-lo numa canção que deu o nome à peça: Auani.

 

Obrigado aos que foram ver, aos que foram e gostaram e aos que gostariam de ir! Uma coisa é certa, ninguém fica indiferente a esta performance, amando-a ou odiando-a.


música: Auani kuni auani, au au au bistana saia, auani bistini

publicado por Sr. Dr. Ricky às 15:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Pouco ou nada sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


alucinações recentes

Poema Da Treta

Foi Mais

Um Mais Um

De Volta O Ninho

Justificação de Faltas

Devaneios da Minha Imagin...

Confusão

Receita: "Auani"

Visão (fictício)

Velejando

alucinações antigas

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Blogs Obrigatórios
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds