"Não acrescentemos dias à nossa vida, mas vida aos nossos dias"
Quinta-feira, 19 de Abril de 2007
Visão (fictício)

Parte da minha rotina consiste em deslocar-me de transporte público...autocarro. Mas hoje tive uma bela surpresa nessa minha viagem rotineira, de regresso a casa: hoje a paragem foi temperada com um pouco mais de pimenta, hoje foi pintada com cores mais berrantes, com cores mais quentes, com cores mais envolventes... Isto porque um ser deslizou até à paragem onde eu me inquietava pelo desejo de chegar a casa!

Assim que ela chegou áquele sítio, os meus olhos congelaram-se logo nela...deslumbrados pelo cabelo curto e sensual, de um fogo doce, aveludado, e intenso, qual vinho perfeito,

Eu, por muito discreto que sou e sempre fui, não conseguia manter um nível de discrição minimamente aceitável! Olhava, não me importando com nada nem ninguém, só com ela... Nem fazia caso a quem me dirigia a palavra, não por desprezar tal pessoa, mas apenas porque naquele momento eu não estava presente...pelo menos não o meu eu consciente, apenas lá estava a carcaça... A alma rodopiava em torno dela, deleitando-se com o seu perfume de jasmim, com os seus olhos penetrantes, com as suas curvas deliciosas, inclusivé com a sua marca eterna no corpo...tratava-se de uma lua...talvez para representar o mistério que a envolve, o mistério sensual no qual ela está embebida!

E, para piorar este meu estado romanesco, o veículo que ela escolheu como sendo aquele a qual lhe iria competir a honra de a levar até ao seu destino....esse tinha de ser logo aquele no qual eu pretendia entrar... Ainda hesitei...a parte de mim que ainda segurava a réstia de pudor e vergonha hesitou...mas todo eu (ou a maioria) já me tinha rendido às perdições daquele rosto intrigante.

Entrei, e aconcheguei-me a um poste, no meio de um sufoco de pessoas, acanhadas no autocarro. Durante uma boa parte da viagem eu não a via...

Pensava já eu que não se tinha tratado senão de uma alucinação, provocada pelo sol, quando as pessoas aclaram o autocarro e eu a vejo: sentada no fundo, nos últimos bancos, sozinha...

Não tive coragem suficiente para a abordar...

E para agravar tudo, a paragem em que ela sai, equivaleu à minha...e durante um bocado andámos separados apenas por um ou dois metros...eu sem nunca ganhar coragem para dizer "Olá" e ela, sempre mantendo o andar de deusa, nunca me presenteando com um olhar sobre o seu ombro... 


sinto-me: Com Calor

publicado por Sr. Dr. Ricky às 21:08
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Pouco ou nada sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


alucinações recentes

Poema Da Treta

Foi Mais

Um Mais Um

De Volta O Ninho

Justificação de Faltas

Devaneios da Minha Imagin...

Confusão

Receita: "Auani"

Visão (fictício)

Velejando

alucinações antigas

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Blogs Obrigatórios
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds